Portas Abertas para todos

O que difere um local público de um privado é justamente o livre acesso a todas as pessoas. A Fundação Ezequiel Dias (Funed), como instituição de saúde pública, iniciou nesta terça-feira, 28/5, seu novo programa de visitas: o Portas Abertas. O principal objetivo do Programa é receber pesquisadores, estudantes, turistas e demais interessados em conhecer o trabalho e o dia a dia de um dos principais centros de referência em pesquisa e inovação científica no Brasil.

A aluna do Curso Técnico de Enfermagem, Dejanira Alves de Azevedo, ao entrar na Funed, disse que já tinha ouvido falar da Fundação, mas nunca tinha visitado. “Estou com grande expectativa, pois sei que esta instituição gera muito conhecimento que eu posso levar para a vida profissional e pessoal”, afirmou.

Nesta primeira edição, cerca de 80 alunos, – vindos da Meta Escola Técnica de Enfermagem, do Curso Técnico Subsequente em Biotecnologia do Coltec e da Graduação em Ciências Biológicas e em Fisioterapia da Faculdade Pitágoras – ocuparam diversos espaços da Fundação, em dois turnos: manhã e tarde. Eles começaram visitando a exposição com diversos serviços oferecidos pela Diretoria Industrial (DI). Fernanda Torres Campos, do Serviço de Farmacovigilância e Estudos Clínicos (SFEC), falou sobre os medicamentos produzidos, o processo de produção e aspectos da farmacovigilância. Também estavam presentes Raquel dos Santos Silva, do Serviço de Pré-formulação e Estudo de Matéria-prima (SPEM); Isabella Lisa e Amanda Souza Teixeira, do Serviço de Desenvolvimento de Produtos Farmoquímicos (SDPF), que detalharam acerca das técnicas de produção de comprimidos e sobre estudos de estabilidade.

Em seguida, a turma assistiu à apresentação do Programa feito pela assessora-chefe da Assessoria de Comunicação Social (ACS), Luciana Julião, que deu boas-vindas aos alunos e explicou a dinâmica do encontro. “Somos muito felizes por trabalhar aqui e é uma grande alegria recebê-los, principalmente porque sabemos que nem todo mundo conhece o trabalho da Funed. Esse é o nosso objetivo com este encontro”, apresenta Luciana. Depois da abertura, os participantes assistiram ao vídeo sobre o projeto, que destacou as principais áreas produtivas da Fundação e seus serviços.

Milena Souza Magalhães, da Divisão de Produção de Biológicos, fez uma apresentação sobre a produção da vacina Meningocócica C pela Funed, o processo de transferência de tecnologia e suas quatro fases. Ao final, o grupo esclareceu as dúvidas sobre o assunto e as competências da Funed no processo. Para a bióloga e professora do curso Meta Natália Almeida Moraes, o que a levou a trazer a turma para a visita foi justamente a relação da instituição com o SUS. “Em sala de aula nós lutamos com os alunos para esclarecer informações sobre vacinas e da importância delas, sem falar no trabalho fundamental de desenvolvimento de fármacos”, apontou.

A segunda parte da visita foi marcada pelas visitas: ao Caminhão do Ciência em Movimento, à Biblioteca e ao Serpentário. O grupo foi dividido em três e os alunos puderam explorar um pouco mais de cada área, vendo, interagindo com as exposições e os objetos e fazendo muitas perguntas: Para que problemas de saúde a talidomida é indicada? Se vários cães em minha casa tiveram leishmaniose o problema está em meu quintal? Por que o animal escolhido para a produção de soro é o cavalo? Ainda usam os micrótomos em pesquisas? Essas e muitas outras questões foram respondidas pela equipe interdisciplinar que atendeu o grupo na Biblioteca, composto pela historiadora Fabiana Neves; no Ciência em Movimento, pelas biólogas Giselle Cota e Myrian  Morato e pelo historiador Sidney do Carmo, além dos estagiários do Serviço de Proteômica e Aracnídeos Mariana Alves Lima e  Vinícius Ferraz; e no Serpentário pelos biólogos Rafael Batista Pereira, Tâmara Táscama Rodrigues, Rebeca de Castro Moreira, Leonardo Noronha e a veterinária Juliana Cabral.

A farmacêutica Rosa Maria Ribeiro, aluna do Curso de Biotecnologia do Coltec, acredita que a visita vai contribuir muito com a sua formação. “É muito bom ver que uma instituição pública se preocupa em desenvolver medicamentos e vacinas com tanta tecnologia. Vitor Sobreiro, aluno do 3º ano de Fisioterapia do Pitágoras disse que nem imaginava como a Funed funcionava. “A biblioteca e o Serpentário são muito interessantes. Vou levar essa experiência para minha vivência profissional”, contou.

O professor Vinícius Alexandre da Silva se disse maravilhado com a instituição. “Sempre passo aqui perto e não tinha ideia das muitas coisas feitas aqui. O mais valioso para mim é a história da Funed. Como nós mineiros não a conhecemos? É preciso que o Brasil conheça esta instituição e a importância dela para a saúde pública. Tópicos como a produção de soros e da vacina farão muita diferença na formação de nossos técnicos de enfermagem” avaliou.

Quem quiser participar do Funed de Portas Abertas deve acessar o Portal da Funed e conferir as próximas datas disponíveis para a visita e preencher o formulário de inscrição.