Seminário: Pesquisadora aborda o diagnóstico da leishmaniose visceral canina

O próximo seminário do Mestrado em Biotecnologia da Fundação Ezequiel Dias (Funed) será sobre Mapeamento de epitopo do fator de virulência A2 recombinante de Leishmania donovani e diagnóstico de leishmanioses canina usando um bi-epitopo derivado sintético. A palestrante convidada é a bióloga Thais Melo Mendes, mestre e doutora em Farmacologia e Fisiologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Com experiência na área de Farmacologia, Biologia Molecular, Bioquímica e Imunologia. Thais é bolsista de pós-doc no Departamento de Engenharia Nuclear, desenvolvendo um trabalho na busca de novos biomarcadores para o infarto do miocárdio e avaliações dos efeitos de radiações ionizantes sobre o DNA; e trabalha como Técnica Superior de Saúde na Gerência de Zoonoses da Prefeitura de Belo Horizonte.

A leishmaniose é uma doença tropical negligenciada, estando entre as seis doenças prioritárias endêmicas no mundo. Leishmaniose visceral é causada pela Leishmania infantum e representa um sério problema de saúde pública no Brasil. Cães são a principal fonte de infecção nas áreas urbanas e no Brasil a principal estratégia do Programa de Controle da Leishmaniose Visceral é direcionada para o controle do reservatório canino (pesquisa sorológica e eutanásia dos cães soro reativos). Portanto, técnicas diagnósticas com alta eficiência são necessárias. “Nosso grupo de pesquisa desenvolveu um peptídeo sintético como antígeno para o diagnóstico imunológico – ELISA, para detectar a leishmaniose visceral canina (LCV). O biepitopo utilizado para o ensaio ELISA distinguiu com precisão (98% de sensibilidade e 99% de especificidade) os soros de cães LCV dos soros de cães não infectados”, explica Thais.

A palestra será na próxima segunda-feira, 27, às 13h, no auditório da Diretoria de Pesquisa.

Nayane Breder – Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento