Pesquisas desenvolvidas pela Funed contribuem para novos diagnósticos e medicamentos

A proteção da vacina, a esperança na descoberta de um novo medicamento, a melhora na qualidade de vida de pacientes com doenças crônicas, o avanço em diagnósticos. Estes e outros tantos benefícios à saúde somente são possíveis graças à pesquisa científica. O processo de pesquisa pode ser iniciado por demanda de editais de órgãos de fomento; por demanda da própria instituição em que o pesquisador está vinculado; dos órgãos parceiros, como Secretaria de Estado de Saúde e Ministério da Saúde ou, ainda, por demanda de empresas privadas. O tempo de duração de uma pesquisa varia de acordo com seu objeto. A pesquisa de uma nova droga para obtenção de um medicamento pode demorar mais de dez anos, mas uma pesquisa que não demanda muitos estudos laboratoriais ou que não utilize experimentação em animais e/ou seres humanos pode demorar dois anos ou até menos.

A Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento (DPD) da Fundação Ezequiel Dias (Funed) foi criada em 1984, pelo professor Carlos Ribeiro Diniz, para responder à demanda por produção de soro de qualidade e em quantidade suficiente para suprir o país. Mas a pesquisa sempre fez parte da Funed, nestes mais de cem anos de sua existência. Seu fundador, o médico e cientista Ezequiel Caetano Dias, deixou um grande legado em pesquisa para a saúde pública do país.

A Diretoria de Pesquisa da Funed

A Diretoria tem uma equipe de 38 pesquisadores – sendo 28 doutores e 10 mestres, 22 graduados e 20 técnicos, além de estagiários e bolsistas de iniciação científica do ensino médio e superior. Para a realização das pesquisas, conta com uma estrutura de 30 laboratórios com equipamentos de alta complexidade, possibilitando uma diversidade de estudos e projetos que se aplicam principalmente ao tratamento de doenças de interesse da saúde pública. “Trabalhamos na bioprospecção de toxinas de aranhas, serpentes, escorpiões, abelhas, plantas nativas, micro-organismos e outros, na busca de princípios ativos importantes para o desenvolvimento de bioprodutos para a saúde humana e animal”, esclarece a doutora Sílvia Ligório Fialho, diretora da DPD.

Todas as pesquisas realizadas na Funed têm como foco principal atender às demandas de saúde com relação a novas opções de tratamento e de diagnóstico. Através destas pesquisas, já foram geradas 34 patentes de produtos que estão disponíveis para incorporação no SUS ou para negociação com empresas, para futura disponibilização para o mercado. Além disso, como produto de pesquisas na DPD, duas startups foram criadas e permitirão, em breve, a incorporação de novos testes de diagnóstico de câncer para a população.

A Funed é reconhecida como um importante Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT) do Estado de Minas Gerais, por meio de sua Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento. Observa-se, atualmente, uma demanda crescente por novas opções de tratamento e diagnóstico de doenças, tendo em vista, principalmente, o surgimento de novos microrganismos (vírus, bactérias, etc.) e de microrganismos resistentes que não respondem aos tratamentos atuais, e a disponibilidade de terapias de difícil adesão do paciente, pela dificuldade de administração, baixa eficácia ou elevada incidência de efeitos adversos.

Dessa forma, um ICT público como a Funed possui como finalidade proporcionar à população acesso a novos produtos, processos e serviços em saúde, buscando a inovação por meio de pesquisas científicas nas diferentes áreas do conhecimento. Atualmente, são mais de 30 projetos de pesquisa em andamento, todos voltados para soluções para a saúde pública. “As atividades desenvolvidas pela Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Funed são voltadas para a proteção e promoção da saúde da população, para o desenvolvimento científico e tecnológico no campo da saúde pública, na formação de recursos humanos para a área de biotecnologia e na popularização e difusão do conhecimento científico e tecnológico pelo estado de Minas Gerais e pelo país”, finaliza Sílvia Fialho.

Nayane Breder – Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento