Notícias falsas sobre sarampo: cuidado com a desinformação!

O recente surto de sarampo em algumas cidades de três estados do país (SP, RJ e PA) tem sido tema de conteúdo falso sobre a doença. De acordo com informações da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), em Minas, foram identificados apenas casos isolados: quatro notificações até o momento.

Ana Luísa Furtado Cury, referência técnica no diagnóstico de sarampo, rubéola e vírus respiratórios na Fundação Ezequiel Dias (Funed), destaca a importância de combater a desinformação por meio da divulgação de informações validadas e oficiais. “A vacina ainda é a única maneira de se proteger contra a doença. Entretanto, é fundamental saber em quais casos e como ela é indicada. É preciso ter cautela ao compartilhar uma informação sobre saúde que não tenha chegado pelos órgãos oficiais”, adverte.

Fique atento aos principais pontos:

  • Em 2019, o vírus do sarampo continua em circulação, com 646 casos confirmados até a semana epidemiológica 30 (21/7 a 27/7/2019), sendo que o surto se mantém ativo em 39 municípios, conforme anexo.
  • Diante desse cenário epidemiológico, para aumentar a proteção contra a possibilidade de ocorrência de novos casos, o Ministério da Saúde recomenda que as crianças de seis meses a menores de um ano que vão se deslocar para municípios que apresentam casos confirmados de sarampo sejam vacinadas contra a doença, com uma dose da vacina tríplice viral. Essa vacinação deve ser realizada no período mínimo de 15 dias antes da data prevista para o deslocamento.
  • A dose da vacina tríplice viral administrada nessa faixa etária não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Assim, deve-se agendar para os 12 meses a administração da vacina tríplice viral (Dose 1) e para os 15 meses a dose da vacina tetra viral, previstas no calendário de vacinação da criança.
  • A vacinação de rotina deve ser mantida conforme as indicações estabelecidas no Calendário Nacional de Vacinação, independentemente do planejamento de viagem a locais com surto ativo de sarampo ou não.
  • O Ministério da Saúde informará oportunamente o momento em que a vacinação de crianças menores de um ano de idade deverá ser descontinuada.
  • Adultos de até 29 anos devem comprovar ter tomado duas doses da vacina. Pessoas de 30 a 49 anos precisam comprovar que tomaram apenas uma dose.
  • As pessoas nascidas antes de 1970 (a partir de 50 anos e mais) não precisam ser vacinadas porque são consideradas protegidas por já terem tido contato com o vírus selvagem. Contudo, levando em consideração o risco da doença para aqueles que irão viajar para locais com surto, o serviço de saúde irá avaliar caso a caso a fim de realizar as devidas recomendações para sua proteção.
  • Quem perdeu o cartão de vacinas deve procurar o Posto de Saúde mais próximo para comprovar a informação.

O que é o sarampo?

Sarampo é uma doença respiratória grave, causada por um vírus, que pode ser fatal. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. A única maneira de evitar o sarampo é pela vacina.

Quais são os sintomas do sarampo?

O doente apresenta febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal-estar intenso. Em torno de 3 a 5 dias, podem aparecer outros sinais e sintomas, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo. Após o aparecimento das manchas, a persistência da febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade, principalmente em crianças menores de 5 anos de idade.

Veja mais notícias de: Destaque

Publicado em: 13 de agosto de 2019 17:25