Dez anos depois da primeira certificação na norma ISO 9001, veja o que mudou na Funed

No Dia Mundial da Qualidade, celebrado no dia 14 de novembro, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) tem o que comemorar: em 2019 completam dez anos desde que foi implantada a primeira certificação na norma ISO 9001. A data foi instituída pela ONU – Organização das Nações Unidas, em 1990, com o objetivo de trazer uma conscientização sobre a importância da Qualidade dentro das empresas.

Dentro das instituições, sejam elas da esfera pública ou privada, a Qualidade é voltada para atender aos requisitos do cliente. No caso da Funed, a implementação do Sistema da Qualidade tem por finalidade cumprir as obrigações com a população em geral, que se torna cliente de seu trabalho por meio dos medicamentos, das análises e dos exames prestados, de modo a cumprir a nossa missão institucional: Participar do fortalecimento do Sistema Único de Saúde, protegendo e promovendo a saúde.

Sistema da Qualidade 

Na Fundação, são adotadas diversas ferramentas de Qualidade utilizadas mundialmente e que trazem uma melhor eficácia nos processos e produtos. Para garantir essa eficácia, existe a Unidade de Gestão do Sistema da Qualidade (UGSQ), que é responsável pela gestão institucional.

Também existe uma área em cada diretoria finalística que zela pelas especificidades da Qualidade, principalmente em relação à RDC 301 (Resolução da Diretoria Colegiada), que dispõe sobre Boas Práticas de Fabricação (BPF). Juntas, estas áreas desempenham um papel fundamental na garantia da qualidade. “As ferramentas de qualidade são diversas, desde o gerenciamento de riscos, controle de mudanças, acompanhamentos por indicadores, amostragem da qualidade do produto ou serviço, etc.”, destaca a coordenadora da UGSQ, Helen Aquino, que entrou na Funed no concurso de 2006.

Nesse concurso, houve uma troca de pessoal bastante significativa e a Funed não dispunha de um Sistema de Gestão da Qualidade que ajudasse no desenvolvimento de procedimentos operacionais para os novos servidores que estavam chegando e a maneira como cada área deveria trabalhar só foi aprendida na prática. “Existiam algumas práticas de qualidade, principalmente na Diretoria Industrial (DI), para atender a RDC 17, à época, e na Diretoria do Instituto Octávio Magalhães (Diom), mas, isso não era tido de forma homogênea. Algumas diretorias não adotavam práticas de nenhuma ferramenta de qualidade e, mesmo as que adotavam, não tratavam como algo institucionalizado”, ressaltou Helen.

Com isso, o que se percebeu foi a necessidade de implantar um Sistema de Gestão da Qualidade como um todo e não só em processos. A norma ISO 9001 foi escolhida, na época, porque era uma norma de qualidade que conseguia abraçar os negócios específicos da Fundação: produção de medicamentos, análises laboratoriais e pesquisas científicas.

Esse escopo foi auditado de acordo com os padrões internacionais da norma ISO 9001 e a Funed foi certificada há 10 anos mantendo essa certificação com auditorias anuais. “Todos os anos nosso trabalho é verificado e obtemos sucesso no atendimento a esses requisitos mundiais”, pontua a coordenadora da UGSQ.

Qualidade: Avanços e resultados

Entre os principais avanços, todas as áreas que dispõem de processos ligados ao Sistema de Gestão da Qualidade destacam a padronização dos processos. É o caso do Serviço de Manutenção e Calibração (SMC/DPGF), responsável pelos cronogramas de manutenção, calibração e qualificação, além da satisfação dos solicitantes e disponibilidade dos equipamentos. “Quando entrei na Funed, em 2011, a Qualidade estava em processo de implementação. Na época, não havia rastreabilidade dos processos, impossibilitando identificar de maneira precisa as causas de diversos problemas, como atrasos nos cronogramas de calibração, qualificação e manutenção preventiva”, destaca o servidor Rafael Dias do Serviço de Manutenção e Calibração. Como o SMC é o responsável por estes cronogramas, Rafael comenta que “após a implementação da Qualidade e de Softwares de Apoio, foi possível rastrear todos os atendimentos feitos pelo SMC e identificar as causas dos problemas que são ocasionalmente encontrados. Esta rastreabilidade permite uma avaliação mais justa quanto aos problemas ocorridos, além de permitir melhorias nos processos do SMC”.

Outro setor que está diretamente ligado ao Sistema da Qualidade é o Serviço de Doenças Bacterianas e Fúngicas, cuja qualidade do setor é de responsabilidade da servidora Élida Leal, desde 2009. “Ao longo destes anos, mais do que uma melhoria nos processos de trabalho, foi possível observar uma mudança de mentalidade no que diz respeito à gestão da qualidade no setor que deixou de ser vista como uma mera ‘burocracia’ para ser considerada uma importante etapa do processo produtivo”, destaca a servidora que ainda completa que “é notável a melhoria na rastreabilidade dos processos, na descrição dos procedimentos (que hoje são mais bem escritos) e, consequentemente, na qualidade do produto entregue à população”.

Helen também destaca como avanço o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC), a forma como planejar as mudanças no processo para evitar desvios ou erros dos produtos e o gerenciamento de riscos.

Apesar de algumas normas de qualidade não serem obrigatórias dentro das repartições públicas, a implantação de um Sistema da Qualidade só contribui para a melhoria do trabalho e dos produtos que determinado setor desenvolve. “Qualidade não é obrigatória, sobrevivência também não”, diz Helen, que complementa: “Na esfera pública, a aplicação de ferramentas de gestão da qualidade é muito iniciante, o que faz com que estejamos atrás de algumas empresas privadas”. A Fundação é uma das precursoras, no Estado, na implantação do Sistema da Qualidade.

Perspectivas

Para o futuro, a Unidade de Gestão do Sistema da Qualidade espera que os avanços como os citados acima continuem a existir. Para isso, é necessário que todos os servidores continuem vestindo a camisa da qualidade, já um ‘Sistema’ de Gestão da Qualidade na Funed só é uma realidade com o empenho de todos os agentes públicos.

Sobre o Dia Mundial da Qualidade, Helen acredita ser uma data de reflexão sobre a importância do trabalho feito pelos servidores da Funed no que diz respeito ao Sistema de Gestão da Qualidade, além de ser uma data de reflexão do nosso papel no Sistema Único de Saúde (SUS).

A gestão da qualidade num setor público ainda é limitada, mas só é possível graças aos esforços de todos que, diariamente, buscam entregar o melhor produto para a sociedade. “As pessoas que trabalham aqui entendem a importância do produto que elas colocam no mercado e isso é muito nobre!”, destaca Helen Aquino.

Texto: Daniel Nolasco