Funed estuda relação entre dengue e resíduos sólidos

Muito se fala que o Aedes aegypti vem evoluindo ao longo dos anos. Além de sua versatilidade em transmitir diversas doenças, sendo dengue, chikungunya, zika e febre amarela as mais conhecidas, ganha destaque também a sua capacidade de se adaptar no cenário urbano. Se antes era sabido que a fêmea do mosquito só se reproduzia em água limpa e parada, estudos hoje comprovam que os ovos também podem se desenvolver em água suja.

Para verificar como a gestão adequada de resíduos sólidos pode ser um importante fator de proteção na ocorrência de dengue, pesquisadores da Fundação Ezequiel Dias (Funed), Instituto René Rachou – Fiocruz Minas e Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam) se reuniram e desenvolveram um estudo. Fruto dessa pesquisa é o artigo publicado na última quinta-feira, 8/4, na Revista Panamericana de Saúde Pública (OPAS) / Organização Mundial da Saúde (OMS).

O intuito é demonstrar a relação entre os indicadores de gestão de resíduos sólidos e socioeconômicos com os índices de dengue nos municípios do Estado de Minas Gerais.

Para o pesquisador da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Funed, Marcos Mol, o propósito era identificar se a presença das doenças poderia ser explicada pela gestão de resíduos e, a partir daí, o que era possível afirmar dessa associação. “O nosso modelo mostra que a relação entre a gestão municipal de resíduos e a presença da dengue é relevante, comprovada pelo modelo estatístico. Com isso, contribuímos para fortalecer a evidência de que o saneamento básico é, de fato, muito importante para o resultado da saúde dos indivíduos”, afirmou o pesquisador.

Para a realização do estudo, foram coletados dados secundários municipais de indicadores socioeconômicos, de doenças transmitidas pelo Aedes – dengue, chikungunya e zika – e de gestão de resíduos sólidos, todos tendo como base plataformas governamentais. Segundo os autores do estudo, essas variáveis foram consideradas a partir da premissa de que o processo saúde/doença deve considerar diferentes determinantes, tais como o social, econômico, ambiental. E é justamente a abrangência de dados o diferencial desse trabalho. “Existem muitos estudos que são locais, mostrando essa mesma relação, porém em determinadas regiões de um dado município, por exemplo. Já o nosso trabalho contemplou uma base de dados maior, com todos os 853 municípios do estado, permitindo assim uma análise estatística também mais robusta”, ponderou o pesquisador.

Conclusões da pesquisa

A pesquisa mostrou que não há associação entre gestão de resíduos sólidos e incidência de Chikungunya e Zika. Por sua vez, foram encontradas associações significativas na gestão dos resíduos sólidos e a incidência de dengue. A variável de Gini, que mede o grau de concentração de renda domiciliar per capita, apresentou uma associação direta, sugerindo que quanto maiores são os valores de Gini dos municípios, ou seja, maior a desigualdade social, maiores são os registros de incidência de dengue. Já a cobertura da coleta seletiva apresentou relação inversa e significativa com os casos de dengue, sugerindo que quanto menor a cobertura da coleta seletiva, maiores foram os casos registrados de dengue. Por fim, a variável Percentual de Vulneráveis à Pobreza apresentou uma relação inversa significativa, mostrando que existem fatores socioeconômicos e até históricos que estão além dessa variável e que podem interferir no resultado final.

“A maior implicação prática desse trabalho é reforçar a importância de uma cobertura adequada de saneamento. Infelizmente, os dados atuais mostram uma lacuna nesse quesito, com muitos municípios brasileiros ainda com precariedade na coleta e tratamento de resíduos e de efluentes líquidos. Não podemos perder de foco o desafio da universalização do saneamento e, nesse sentido, o estudo agrega força para justificarmos, cada vez mais, essa solução o quanto antes”, enfatizou o pesquisador da Funed, Marcos Mol. O pesquisador frisou ainda que a participação efetiva e próxima da sociedade na tomada de decisões é fundamental para que as ações não sejam meramente técnicas, mas que tenha adesão dos atores que vão demandar essa solução. Assim, pode-se concluir que a gestão de resíduos sólidos pode influenciar os casos de dengue e, por isso, deve ser considerada nas ações de saúde pública.

Clique aqui para ter acesso ao artigo, na íntegra.