Funed reflete sobre ações no Dia Mundial do Meio Ambiente

 

 

 

 

 

 

 

Imagem: Evandro Rodney / IEF (Arquivo – Fotos Públicas)

O Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado anualmente em 5 de junho, desde 1974. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), após a conferência sobre o Meio Ambiente, em Estocolmo, capital da Suécia. Nesse dia, as ações são voltadas para uma reflexão sobre os progressos das políticas implantadas desde a década de 70, bem como para preparar a sociedade para os desafios que os próximos anos nos reservam. Na Fundação Ezequiel Dias (Funed), o Serviço de Gestão Ambiental (SGAmb) convida todos a celebrar essa data, repensando suas próprias ações e tomando medidas efetivas para a melhoria do meio ambiente como um todo.

É de amplo conhecimento que o planeta Terra está sendo alterado de uma forma sem precedentes. Como exemplo disso, dois terços dos oceanos são impactados pela atividade humana. Entre os anos de 2010 e 2015, 32 milhões de hectares de floresta desapareceram e 50% da biodiversidade em recifes de corais foram perdidas nos últimos 150 anos. O atual uso insustentável de recursos naturais representa um colapso futuro em todo planeta. Por isso, é fundamental que o ser humano mude urgentemente a relação atual que possui com o meio ambiente, para evitar crises ecológicas, como a crise climática, que ainda estão por vir.

Atualmente, a humanidade vem sofrendo uma crise de saúde pública com a pandemia da covid-19. Ela surgiu de uma doença zoonótica, ou seja, originária de um animal que, por meio da aproximação com humanos de forma desequilibrada, passou a nos infectar. Isso ocorre devido à invasão de habitats naturais, destruição de florestas, mudança climática, além de urbanização e uso da terra intensivo para agricultura e pecuária, junto com a alta densidade populacional humana. Todos esses fatores criam condições ideais para o “salto” da covid-19 entre espécies diferentes, como foi também o caso de outras doenças como a peste bubônica, o ebola e a gripe aviária.

A melhor maneira para desacelerar e conter a pandemia atual, além das práticas de isolamento social, está no recurso mais importante da natureza: a água.

A água é a primeira linha de defesa na prevenção da covid-19. A lavagem regular das mãos com água e sabão ajuda a conter a disseminação do vírus, bem como de agentes causadores de outras doenças infecciosas, que são facilmente transmitidas em populações sem acesso à água encanada e saneamento básico adequado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disponibiliza o passo a passo abaixo para a boa prática de higienização das mãos:

 

 

Evite a disseminação da covid-19 e ajude a conter essa crise. Lave as mãos regularmente, mas não se esqueça de fechar a torneira e usar conscientemente esse recurso tão essencial que é a água.

Texto: Serviço de Gestão Ambiental (SGAmb)