Brinde às Cientistas

“Vamos fazer um Pint of Science somente com mulheres cientistas?”. Foi a partir dessa proposta que a organização do festival em Belo Horizonte convidou quatro pesquisadoras, com diferentes trajetórias, mas com a mesma paixão pela Ciência para compartilharem suas histórias e debaterem a presença feminina na pesquisa e inovação na live Onde estão as cientistas mineiras?, que aconteceu na noite de ontem (8/9).

Com o tema Mulheres protagonistas na Ciência Mineira, a pesquisadora e diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação Ezequiel Dias (Funed), Sílvia Fialho, foi uma das cientistas que participou do bate-papo sobre a importância da pesquisa para o desenvolvimento de um país, para a qualidade de vida da população e para a saúde pública. Também participaram do encontro virtual a pesquisadora e diretora da Fiocruz Minas, Zélia Profeta; a pesquisadora da Faculdade de Educação da UFMG, Regina Helena de Freitas e a pesquisadora do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG, Aline Miranda.

Pint of Science em BH – evento reuniu pesquisadoras para debaterem o tema Mulheres Protagonistas na Ciência Mineira / Imagem: ACS Funed

“Foi muito difícil escolher as convidadas”, contou a mediadora e organizadora do evento em Belo Horizonte, Marina Andrade, que também é coordenadora do programa CoMciência do MM Gerdau. “Temos muitas mulheres maravilhosas em Minas Gerais. Como a gente selecionou? Buscamos cientistas em momentos diferentes na carreira, que ocupem posições diferentes em suas instituições de pesquisa, que representassem as instituições federais, estaduais e de ensino”, explicou Marina sobre a curadoria do evento.

Minas Gerais é um estado que em 2020 completa 300 anos. Ao longo dessa história, contou com importantes centros de pesquisa para o seu desenvolvimento, como a Fundação Ezequiel Dias (Funed) com seus 113 anos, sendo criada inicialmente como uma filial do Instituto Osvaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com 92 anos.

“Na Funed, a pesquisa tem como propósito desenvolver soluções para a saúde pública”, relatou a pesquisadora Sílvia Fialho sobre o trabalho da Funed, que é referência na produção de medicamentos para o SUS, na análise laboratorial e vigilância em saúde, essencial para o enfretamento de epidemias e na pesquisa em saúde pública, sendo que o único mestrado profissional público em Biotecnologia na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que tem como área de atuação a saúde, está na Funed. “Durante a pandemia, o papel da pesquisa não foi diferente e estamos desenvolvendo dois projetos relacionados à covid-19”, afirmou Sílvia Fialho.

Além de gerenciar a diretoria de pesquisa e desenvolvimento da instituição, Sílvia também lidera uma linha de pesquisa na área Farmacêutica, que investiga possibilidades de tratamento para doenças oculares, “antes de ser uma gestora, sou uma pesquisadora”, afirma a cientista, que foi motivada e desafiada por um amigo oftalmologista a buscar um tratamento para resolver um problema que atinge grande parte da população e compromete a sua qualidade de vida, “a Ciência tem como fim e sentido solucionar problemas”, complementou.

Mulheres na Ciência

Durante a live, as convidadas também abordaram a igualdade de gênero na academia e em posições de gestão, os desafios que enfrentaram em suas trajetórias acadêmicas e como o papel das políticas públicas são importantes para que as mulheres cientistas possam exercer a maternidade em igualdade de condições.

Mãe de duas adolescentes de 13 anos, a pesquisadora da Funed Sílvia Fialho relatou que muitas vezes contou com uma rede de apoio familiar para conciliar as atividades profissionais acadêmicas com a maternidade, “é difícil, mas é uma questão de disciplina, de prioridade e de organização”.

A diretora da Fiocruz Minas, Zélia Profeta, defende que todas precisam ter o direito à prática científica e não serem impedidas em função da maternidade ou da ausência de uma rede de apoio familiar. “Temos que ter políticas públicas para que os problemas individuais das mulheres na maternidade sejam tratados coletivamente”, defendeu.

Muito recentemente, a partir de 2017, as bolsistas da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), tiveram garantido o direito à suspensão das atividades acadêmicas por até 120 dias com a continuidade do recebimento da bolsa, em caso de maternidade ou de adoção,

 No total, 11 países integram o festival e a edição nacional conta com a participação de 73 cidades de todas as regiões do país, nos dias 8, 9 e 10 de setembro. Outra novidade desta edição no Brasil e em Minas Gerais é o lançamento do Pint of Milk, uma ação para levar informação científica de forma divertida para o público infantil, a partir de conteúdos nas redes sociais.

Em Belo Horizonte, o festival Pint of Science é realizado pelo MM Gerdau, com apoio da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (Fundep/UFMG) e da Fundação Ezequiel Dias (Funed), que participa desta edição pelo terceiro ano consecutivo. Já o Pint of Milk é coorganizado pela Funed e pelo MM Gerdau.

Pint of Milk

Desta vez, o brinde à ciência não será somente para os adultos, com seus tradicionais chopes e cervejas. Que tal um brinde à ciência com um copo ou caneca de leite para as crianças? Pela primeira vez no Brasil e em Belo Horizonte, também será realizado o Pint of Milk – iniciativa do MM Gerdau, em parceria com a Funed.

A proposta é levar informação científica de forma divertida para o público infantil, com uma série de vídeos, podcasts e tutoriais nas redes sociais da Funed e do MM Gerdau.

Confira a programação abaixo:

Pint of Milk 

Uma parceria Funed e Educativo MM Gerdau

Podcats | O fascinante mundo das cobras: como elas se defendem?
Onde: Spotify do MM Gerdau e redes sociais da Funed
Quando: 8/9 (terça-feira) a partir das 16h
Será que as cobras sabem se defender? Neste podcast, a bióloga da Funed, Priscila Tavares, vai nos contar como as cobras fazem para enganar seus predadores, escapando da morte e conseguindo sobreviver na natureza.

Vídeo | O fascinante mundo das cobras: como reconhecê-las?
Onde: Youtube do MMGerdau e redes sociais da Funed
Quando: 8/9 (terça-feira) a partir das 16h
Coral, cascavel, jararaca… Você sabe reconhecer uma cobra? Assista ao vídeo, produzido pela bióloga da Funed, Giselle Cotta, e o estagiário Gean Carlos, e aprenda como fazer para identificar esses intrigantes animais.

Vídeo tutorial | Mãe, não joga fora! Construindo um microscópio com embalagem de amaciante!
Onde: YouTube e Instagram do MMGerdau e redes sociais da Funed
Quando: 9/9 (quarta-feira)Você sabia que uma embalagem de amaciante de roupas pode ser transformada em um microscópio caseiro? Separe a sua e aprenda como fazer, neste divertido tutorial da bióloga da Funed, Patrícia Cota.

 Vídeo | As cores que vejo
Onde: Youtube e redes sociais da Funed
Quando: 9/9 (quarta-feira)
As telas de nossos computadores e tablets parecem um mundo das cores. Mas como será que essas cores se formam? Neste vídeo, o pesquisador da Funed Luiz Guilherme Heneine vai nos mostrar como essa magia colorida acontece. Se ligue!

 Vídeo | Ao Centro da Terra: um diálogo entre crianças e o Museu sobre geociências
Onde: Youtube e Instagram MMGerdau 
Quando: 10/9 (quinta-feira)
Produção: Educativo MMGerdau 
Como será o centro da Terra? Quem nunca pensou em cavar um grande túnel e desvendar esse mistério? Nessa jornada pelo conhecimento das profundezas da terra, muitas foram as tentativas de descrever a sua estruturação e composição. A partir dos avanços técnicos e científicos feitos no século 20, esse interior foi cada vez mais entendido pelas Geociências. A oficina “Ao Centro da Terra” apresenta um modelo em três dimensões para investigar e conhecer essas profundezas, que aliás, irá caber na palma de sua mão! Então se prepare para essa jornada, quais outras descobertas internas teremos?

Vídeo | NA NANO NANINHA
Onde: YouTube e redes sociais da Funed
Quando: 10/9 (quinta-feira)
Os amigos Na e No vão nos contar o que é nanotecnologia e como ela pode ajudar a cuidar da nossa saúde. A animação foi criada e produzida por Jota Santos, com informações técnicas da pesquisadora Sílvia Fialho. Ambos são da Funed.

Por Priscilla Fujiwara / ACS Funed

Veja mais notícias de: Geral

Publicado em: 09 de setembro de 2020 17:14

Última atualização: 09 de setembro de 2020 17:14