Funed tem papel fundamental em um ano de pandemia

Fundação segue atuando em diferentes frentes para minimizar os impactos da covid-19

No dia 12 de março de 2020, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) realizou a primeira análise para diagnóstico da covid-19 via exame molecular, PCR em tempo real. Um dia antes, a Organização Mundial de Saúde (OMS) oficializou a situação de pandemia no mundo e, no dia 18 de março, o isolamento social foi decretado em Belo Horizonte.

Ao longo deste ano, as pessoas da Fundação, cada uma em sua área de atuação, fizeram toda a diferença para minimizar os impactos da pandemia no estado. O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen/Funed) foi uma das áreas mais demandadas neste novo cenário de saúde pública. Na Divisão de Epidemiologia e Controle de Doenças (DECD), a formalidade da divisão por áreas foi esquecida para que fosse possível dar conta da crescente demanda por exames. Diversas áreas receberam reforços em relação a recursos humanos – de equipes de outras áreas da Funed e também por meio de contratação emergencial. Para Ana Luísa Cury, chefe da DECD,  “os investimentos em RH, equipamentos e readequação de infraestrutura, permitiram o aumento da capacidade operacional dos serviços envolvidos nas diversas atividades relacionadas ao diagnóstico de covid-19 na Fundação”, avalia.

Destacam-se, ainda, as ações desenvolvidas por profissionais da segurança e da saúde do trabalhador, demandadas frente aos efeitos do enfrentamento à pandemia no ambiente laboral. “Profissionais de enfermagem, medicina do trabalho, acolhimento e recepção, educação física, segurança ocupacional e psicologia/serviço social, entre outros, foram responsáveis pelo atendimento a servidores e colaboradores impactados direta e indiretamente neste período, pela coleta de material para exame e vacinação, acompanhamento funcional, seleção de profissionais e monitoramento de casos”, lembra Roberto Gontijo, chefe da Divisão de Gestão de Pessoas na Funed.

Até o dia 8 de março de 2021, o estado já tinha realizado 426.841 análises de covid, de um total 429.305,sendo que apenas a Funed foi responsável por analisar 162.155. As outras análises foram feitas por 29 laboratórios de 15 instituições da RedelabCovid-19 – que foram habilitados pela Funed com o intuito de descentralizar o diagnóstico – e pelas plataformas do Ministério da Saúde. No início da pandemia, a Fundação tinha capacidade operacional para realizar cerca de 160 amostras/dia; hoje, esta capacidade foi ampliada para cerca de 2.000 amostras/dia, um aumento de mais de dez vezes.

O Lacen/Funed também é o representante de Minas Gerais na Rede Nacional de Sequenciamento Genético para a Vigilância em Saúde, criada pelo Ministério da Saúde (CGLAB). A primeira etapa do trabalho está focada no sequenciamento do vírus SARS-Cov-2. A participação visa a aumentar significativamente o quantitativo de genomas disponíveis de forma a viabilizar estudos mais robustos na caracterização genética e filogenética no Brasil.

Tratamento

A Fundação também mobilizou diferentes frentes para propor soluções ao enfrentamento da covid-19. Uma delas foi o desenvolvimento do soro anti-SARS-CoV-2, com o objetivo de ser usado em ambiente hospitalar e para pacientes que desenvolverem formas mais graves da doença. “Neste momento, estão sendo desenhados os ensaios pré-clínicos  (com animais)  e o produto em escala laboratorial desses ensaios está pronto. Também está em prospecção um parceiro que tenha biotério com nível de segurança NB3, tendo em vista que o laboratório NB3 da Funed é adequado para estudos in-vitro”, explica Sérgio Caldas, pesquisador responsável pelo estudo.

Parcerias: kit diagnóstico e vacina

A Funed também firmou duas importantes parcerias no que tange à ampliação da capacidade de testagem em nível nacional e à fabricação de uma vacina brasileira. A primeira parceria, firmada com o CT-Vacinas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), já garantiu a produção e a entrega de dois lotes de proteína recombinante, que vai possibilitar a produção em escala de kits de diagnóstico ELISA e Teste Rápido, para detecção da covid-19, via diagnóstico sorológico.

Além disso, a Fundação estabeleceu negociações e memorandos de entendimento com diversas empresas para fornecimento e transferência de tecnologia de vacinas  de 2ª e 3ª geração contra a covid-19, tendo avançado em negociações com a empresa Covaxx. As negociações para a formalização da parceira estão em andamento.

A parceria para a produção de uma vacina brasileira também está em fase de andamento, para formalização com o CT-Vacinas da UFMG. Já foram realizadas reuniões de alinhamento para definir as etapas a serem executadas pela Funed. “Desde o início da pandemia, a Fundação e suas equipes têm se desdobrado em várias frentes para atender as demandas geradas pela pandemia, assumindo um papel importante no diagnóstico e na busca de alternativas de tratamento e prevenção à doença. Esperamos em breve assinar o Termo de Cooperação em Desenvolvimento Tecnológico com a UFMG, no intuito de contribuir ainda mais para esse enfrentamento à pandemia. Oportunamente, teremos mais detalhes sobre nossa participação em mais essa iniciativa”, afirma Dario Ramalho, Presidente da Funed.

 

Vivian Teixeira