Funed reúne patentes de tecnologias da saúde em catálogo

Neste 21 de abril comemora-se não apenas o Dia de Tiradentes, como também o Dia Mundial da Criatividade e Inovação. Na Fundação Ezequiel Dias (Funed), são desenvolvidas diversas pesquisas relacionadas à biotecnologia que contribuem para a saúde pública como um todo. Medicamentos e tratamentos para disfunção erétil, distonias musculares, controle da infecção por HIV, diagnósticos de câncer de ovário, além de kits para verificação da potência de soros e para a detecção de tipos de carne em determinados produtos.

Essas e outras tecnologias desenvolvidas pela Funed estão no Catálogo de Patentes e Tecnologias, documento lançado no final de 2020 que reforça a experiência da instituição em pesquisas que envolvem a biotecnologia voltada para a saúde humana. Atualmente a Funed possui 40 depósitos de patentes no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), sendo que cinco desses já foram deferidos pelo Instituto. O Catálogo apresenta as tecnologias que possuem os depósitos de patente vigentes e/ou com carta patente deferida.

Para a diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Funed, Sílvia Ligório Fialho, a publicação é uma forma de dar mais visibilidade às tecnologias desenvolvidas na Fundação, buscando, assim, parcerias e investimentos que venham facilitar a incorporação dessas inovações no mercado e para a sociedade. “Hoje nós vemos que a maioria das novas tecnologias e as novidades com relação a medicamentos e diagnósticos estão muito voltadas ao mercado privado. A Funed, como instituição pública ligada ao Governo de Minas Gerais, tem então um papel primordial que é de incorporar, dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), novos produtos que possam melhorar a qualidade de vida do paciente e que eles muitas vezes não teriam acesso por outras vias”, frisa a diretora. Para isso, a Funed vem desenvolvendo tecnologias que possam suprir necessidades vitais da população brasileira nos mais diversos setores.

A instituição entende a importância de divulgar as tecnologias e de buscar formas de conseguir licenciar ou desenvolver em parceria novos produtos, serviços ou processos possibilitando que cheguem à sociedade. “Dessa forma podemos fazer a inovação acontecer com um resultado importante para a instituição e para o Estado”, afirma o coordenador do Núcleo de Inovação e Proteção ao Conhecimento (Nipac) da Funed, Bruno Coelho Resende de Castro.

Atualmente, os trabalhos desenvolvidos na Fundação têm amparo financeiro dos editais de fomento a que estão vinculados e de recursos próprios da instituição. No entanto, para uma nova tecnologia ser colocada no mercado, é preciso tempo e alto investimento. “Um estudo clínico hoje, que é parte primordial de toda pesquisa, demanda um altíssimo investimento. Para que as tecnologias desenvolvidas pela Funed possam ter inserção no mercado, buscamos parcerias com institutos públicos de pesquisa, que são capazes de realizar esses estudos clínicos, ou com empresas privadas, por meio de licenciamentos”, destaca a diretora Sílvia Fialho. “Nesse último caso, ao apresentar um portfólio de nossas inovações ao mercado, abrimos a possibilidade de licenciamento a empresas que possam vir a comercializar os produtos. Assim, a empresa pode adquirir 100% da patente ou, juntamente com a Funed, dar continuidade ao desenvolvimento da pesquisa”, explica.

Acesse aqui o Catálogo de Patentes e Tecnologias e conheça algumas das soluções em saúde desenvolvidas pela Funed.