Funed firma parceria com Mário Penna para desenvolver pesquisas sobre câncer

A Fundação Ezequiel Dias (Funed), por meio de seu Serviço de Biologia Celular (SBC), acabou de firmar parceria com o Instituto Mário Penna, por meio do Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEP), para o desenvolvimento de pesquisas sobre o câncer. A instituição é filantrópica, referência em prevenção, diagnóstico, tratamento, ensino e pesquisa em câncer em Minas Gerais.

O objetivo da cooperação é o estabelecimento de parceria para pesquisa, desenvolvimento e inovação, por meio da Rede de Pesquisa de Biomarcadores Oncológicos. De acordo com Luciana Maria Silva, pesquisadora da Funed responsável pelo trabalho, a parceria é estratégica para proporcionar avanços na compreensão da carcinogênese dos tumores humanos. “As pesquisas em oncologia podem ser do tipo básica ou translacional, mas juntas podem promover a saúde dos pacientes diagnosticados com a doença, com o objetivo de avançar em descobertas importantes que saem da bancada para a beira do leito (bench to bedside)”, afirma.

A Funed participa dos estudos enquanto Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT), que tem por finalidade realizar pesquisas para o desenvolvimento científico e tecnológico no campo da saúde pública, na pesquisa e na produção de medicamentos, bem como nas análises laboratoriais no campo dos agravos à saúde coletiva. A expectativa é que a cooperação proporcione avanços em pesquisas diversas, mas de forma particular nas pesquisas que estão em andamento sobre o câncer de ovário. “Esse processo pode contribuir para o desenvolvimento de novos fármacos, kits-diagnósticos e outros produtos para a saúde humana”, exemplifica Luciana.

O Instituto Mário Penna – que tem esse nome em homenagem ao médico que se tornou pioneiro do tratamento do câncer em Minas Gerais – possui hospitais de referência no tratamento oncológico, como o Hospital Mário Penna e o Hospital Luxemburgo, além da Casa de Apoio Beatriz Ferraz, que acolhe pacientes do interior em tratamento nos hospitais do Instituto, o Núcleo de Especialidades Oncológicas (NEO) e um Núcleo de Ensino e Pesquisa para descobertas de tratamentos, diagnósticos e melhor entendimento do câncer.

Atualmente, o Instituto Mário Penna é responsável por atender 70% dos novos casos de câncer de Belo Horizonte e região metropolitana, e mais de 20% dos novos casos de câncer de todo o estado de Minas Gerais. Definida como peça fundamental no planejamento estratégico do Instituto, a atividade de pesquisa desenvolvida por meio do seu Núcleo de Ensino e Pesquisa envolve um corpo profissional multidisciplinar, incluindo membros do corpo clínico que atuam na investigação e produção de dados, gerando conhecimento e avanços no campo da oncologia.

O Laboratório de Pesquisa Translacional do Núcleo de Ensino e Pesquisa do IMP é chefiado pela pesquisadora Letícia da Conceição Braga, parceira de pesquisa de Luciana Silva, e executou seus experimentos do doutorado no SBM da Funed. As duas pesquisadoras são responsáveis por trazer a inovação em biotecnologia do câncer para Minas Gerais, por meio da criação da startup OncoTag, que nasceu na Funed em 2014, e que tem em sua carteira de desenvolvimento um exame molecular para pacientes com câncer de ovário. De acordo com Luciana, a dupla tem experiência, cumplicidade e compromisso para que as duas instituições possam ajudar a melhorar o tratamento do paciente oncológico por meio das suas pesquisas.

Relevância – O Câncer é a segunda maior causa de morte no mundo inteiro. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2018, houve 10 milhões de mortes devido ao câncer no mundo. “O câncer continua a crescer globalmente, exercendo um tremendo desgaste físico, emocional e financeiro nas pessoas, nas famílias, comunidades e sistemas de saúde. Muitos deles, de países de renda-média como o Brasil, estão menos preparados para gerir esse fardo e muitos pacientes não têm acesso a um adequado diagnóstico e tratamento”, lembra Luciana Silva.

Dra. Letícia Braga complementa que essa parceria com a Funed significa a união de esforços de pesquisadores e instituições que trabalham em prol do fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) possam fazer diferença nesse cenário e promover a saúde, por meio da pesquisa e inovação para os pacientes do SUS.