Funed desenvolve pesquisas para tratamento do retinoblastoma

Neste sábado, 18/9, é comemorado o Dia Nacional de Conscientização e Incentivo ao Diagnóstico Precoce do Retinoblastoma. A data é uma iniciativa da Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer (Tucca), estabelecida pela Lei nº 12.637, de 2012. O retinoblastoma é um câncer intraocular raro, agressivo e de rápido desenvolvimento. Na maioria dos casos, acomete crianças e jovens, entre 0 e 19 anos de idade, sendo o diagnóstico precoce essencial para o aumento das chances de sobrevida do paciente.

A pesquisadora da Fundação Ezequiel Dias (Funed), Sílvia Fialho, coordena um grupo de pesquisa que realiza estudos sobre tratamentos para doenças oculares, entre elas, o retinoblastoma. O trabalho “Utilização da membrana corioalantoica de galinha (CAM) como modelo para o estudo de novos tratamentos para retinoblastoma”, foi objeto da dissertação de mestrado em Biotecnologia da Funed da aluna Bárbara Silvestrini, orientada por Sílvia e coorientada pela pesquisadora Luciana Silva, do Serviço de Biologia Celular da Fundação. Nesse trabalho, mostrou-se que a CAM foi adequada para uso como modelo de crescimento do retinoblastoma, além de ser um exemplo de método alternativo, com grande potencial de aplicação para testes de irritação ocular e diferentes estudos de angiogênese e câncer”, explica Sílvia, sobre a pesquisa da aluna.

Os tratamentos disponíveis para retinoblastoma, além de possuírem custo elevado e causarem efeitos adversos, têm eficácia limitada, sendo necessário, conforme o estágio da doença, a remoção de todo o globo ocular para evitar o óbito do paciente. Na pesquisa realizada por Bárbara, verificou-se que a membrana corioalantoica de ovo embrionado de galinha (CAM) foi adequada para crescimento de células de retinoblastoma de pacientes e poderá ser bastante útil para a avaliação de tratamentos que sejam mais eficazes no controle do tumor.

Além deste projeto, o grupo de pesquisa possui outros estudos em andamento que visam melhorias no tratamento de retinoblastoma e que incluem o uso de nanotecnologia para transfecção gênica e também sistemas de liberação de fármacos para aplicação no interior do olho.