Funed participou de workshop internacional de epidemiologia molecular

Entre os dias 30 de agosto e 10 de setembro, pesquisadores do Serviço de Virologia e Riquetsioses (SVR) da Fundação Ezequiel Dias (Funed) participaram do Workshop VEME. Devido à pandemia de SARS-CoV-2, o evento foi dividido, pela primeira vez, em dois workshops separados: um webinar on-line, focado na pesquisa de coronavírus (COVEME) e voltado para pesquisadores internacionais, e um encontro presencial (VEME Light 2021), para pesquisadores brasileiros e de países da América Latina e do Senegal, realizado em Belo Horizonte. O encontro contou com apresentações teóricas, sessões práticas e palestras.

A Funed, além de ter auxiliado na organização do evento, foi representada pelo chefe do SVR, Felipe Iani, além dos pesquisadores André Leal e Talita Adelino, também do SVR, e de Natália Guimarães e Emerson Barbosa, bolsistas da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), atuando no SVR. “A Funed foi ainda responsável pela testagem de todos os participantes antes e depois do evento, uma vez que esse era um acordo para que o mesmo pudesse acontecer presencialmente, como solicitado pela OPAS e pelo Ministério da Saúde”, explica Felipe Iani. Além disso, dois doutorandos, Joilson Xavier e Hegger Fritsch, que realizam seus projetos no SVR, ministraram palestra no workshop.

Para Felipe Iani, a epidemiologia molecular é uma das atividades que a Virologia vem desempenhando e se tornando cada vez mais uma referência nacional na área. “A participação da Funed nesse evento, que é um dos mais importantes do mundo na área de epidemiologia molecular, demonstra que a Funed está sendo reconhecida nesse campo de atuação”, reforça.

O VEME Light é um workshop técnico, em que são ensinadas a utilização de ferramentas e abordagens mais atuais para atuação na vigilância genômica que, neste ano, teve como foco principal a covid 19. “A Funed já utiliza algumas dessas ferramentas, mas foi de extrema importância estar presente no evento, para capacitar mais pessoas da Virologia que ainda não haviam tido esse tipo de treinamento específico, e com professores internacionalmente reconhecidos. Agora será possível ampliar nossas análises com mais velocidade e muito mais qualidade”, ressalta o chefe do SVR.

O presidente da Funed, Dario Ramalho, e o diretor do Instituto Octávio Magalhães (IOM/Funed), Glauco Carvalho, participaram do encerramento do evento e enfatizaram a importância das discussões não só para a Fundação como também para a comunidade científica como um todo, uma vez que pessoas extremamente capacitadas, como as que participaram do VEME, repassaram a diversos pesquisadores o que há de mais avançado em termos de biologia molecular.

Dario destacou ainda a sofisticação das técnicas de biologia molecular atuais, que permitem fazer a identificação do agente da doença e ainda sequenciá-lo por completo, mapeando sua origem e por onde ele passou até chegar a determinado local. “O que antes era tido como ficção científica, de tão distante da realidade que se encontrava, ou levava semanas para ser feito, hoje é realizado de forma corriqueira”, comenta. O presidente enfatizou também o protagonismo do Lacen da Funed, que é um dos principais responsáveis por fazer o sequenciamento genético no país. “Em termos de tecnologia estamos fazendo um trabalho que é bastante avançado”, ressalta.