Funed aprova projeto para tratamento de doenças oculares

O projeto “Medicamentos biológicos baseados em terapia gênica: da concepção científica à obtenção do produto final”, coordenado pela pesquisadora Sílvia Ligório Fialho, diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação Ezequiel Dias (Funed), foi aprovado na Chamada 15/2022 da Fundacão de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). O trabalho propõe a obtenção de um produto biológico contendo material genético, no caso RNA de interferência, em um nanocarreador para o tratamento de doenças oculares causadoras de neovascularização. Para sua concretização, serão compartilhados conhecimentos entre pesquisadores da Funed e estrangeiros, que permitirão executar as etapas do projeto. Na Funed, o trabalho será desenvolvido pelos grupos de pesquisa liderados por Sílvia Fialho e Luciana Silva, coordenadora do Serviço de Biologia Celular.

O projeto integra a Nanogene, rede de pesquisa coordenada pela Funed, por meio da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento (DPD). A proposta objetiva a consolidação de plataformas tecnológicas no Estado, essenciais para a obtenção de medicamentos biológicos na forma de terapia gênica, da concepção científica até a obtenção do produto final. “A maioria das doenças oculares causadoras de cegueira possuem determinantes genéticos como causa principal e, portanto, o uso de terapia gênica por meio de injeções intravítreas representa excelente perspectiva de tratamento. O medicamento a ser desenvolvido prevê a incorporação de RNA de interferência em um nanocarreador, para aplicação nesses tipos de doenças causadoras de neovascularização que, atualmente, são responsáveis pela maioria dos casos de perda severa da visão e cegueira”, explica Sílvia.

A proposta visa a consolidação de importante e inédita parceria internacional, entre a Funed e o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto, em Portugal, por meio do pesquisador Bruno Filipe Carmelino Cardoso Sarmento. “Essa parceria irá permitir a geração mútua de conhecimento para ambas equipes, a formação de recursos humanos altamente qualificados, o aumento da competitividade dos grupos de pesquisa da Funed e a consolidação dos programas de pós-graduação das instituições envolvidas”, diz Sílvia Fialho. Além disso, a pesquisadora enfatiza que haverá ganho com publicações de artigos científicos com elevado fator de impacto e a geração de produto merecedor de propriedade industrial.

Assim, a parceria pretende gerar conhecimento e incorporar tecnologias inovadoras para o Estado, como também possibilitar a incorporação de um medicamento de alto custo e de grande relevância em saúde pública no tratamento de doenças oculares, que atualmente não possuem protocolos terapêuticos bem estabelecidos e acometem dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo.

Por Nayane Breder/DPD