Coleções Biológicas

 

As coleções científicas são importantes para o conhecimento da biodiversidade. Muitos estudos taxonômicos, ecológicos e biogeográficos apenas são possíveis devido à existência de coleções científicas. Por meio destas, obtêm-se registros adequados e permanentes por meio da conservação de espécimes-testemunho. Coleções biológicas constituem um local adequado para o depósito de animais, plantas e microorganismos coletados por pesquisadores das mais diversas áreas e pela população.

Informações acerca da biodiversidade local que subsidiem a aplicação de políticas ambientais bem-sucedidas necessitam de uma base sólida, formada essencialmente por coleções científicas que fornecem um panorama geográfico e temporal abrangente dificilmente alcançado por qualquer tipo de estudo pontual.

Coleções biológicas compõem a infraestrutura básica de suporte para o desenvolvimento científico e para a inovação tecnológica nas áreas de saúde, agricultura, biodiversidade, meio ambiente e indústria. São bancos de espécimes, associados a dados biológicos e geográficos, ferramentas imprescindíveis para o trabalho de taxonomistas e apoio indispensável para muitas outras áreas do conhecimento. Os exemplares atestam a riqueza biológica de diferentes regiões, certificam a denominação para um grupo de organismos e constituem a base de informação para análises de distribuição geográfica, diversidade morfológica, relações de parentesco e evolução das espécies, além de guardar a memória de conceitos morfológicos e taxonômicos e a maneira como esses estão sendo modificados.

A Coleção Científica de Serpentes da Fundação Ezequiel Dias (Funed) foi iniciada em 1986 com o objetivo de preservar os ofídios que representam a fauna do estado de Minas Gerais. Inicialmente, os animais tombados na coleção eram provenientes apenas de doações feitas ao serpentário da Funed. Com o crescimento do acervo e sua inclusão em um banco de dados nacional de coleções biológicas, o Specieslink, a coleção passou a ser reconhecida nacionalmente. Com este advento, animais provindos de estudos ambientais, resgates de fauna, pesquisas, mestrados e doutorados também passaram a ser depositados nessa coleção.

Coleções Biológicas
Coleções Biológicas na Fundação Ezequiel Dias. Foto: Léo Noronha

Atualmente, são conhecidas aproximadamente 405 espécies de serpentes no Brasil. Dessas, apenas 64 são consideradas peçonhentas e 341 não peçonhentas. Minas Gerais desponta como o segundo estado brasileiro com maior riqueza de espécies de serpentes, sendo conhecidas até o momento cerca de 159 espécies. Após 31 anos de existência, a coleção de serpentes da Funed é considerada o maior acervo científico de serpentes de Minas Gerais e possui, atualmente, 3448 animais tombados. Destes, 1.457 são exemplares de espécies peçonhentas e 1991 exemplares de espécies não peçonhentas. Com o propósito de contribuir para o crescimento do conhecimento sobre a herpetofauna brasileira, vários pesquisadores visitam a coleção ou solicitam o empréstimo de espécimes para a realização de investigações científicas.

Além da realização de pesquisas, a coleção também atua na divulgação científica sobre os animais peçonhentos. São realizadas diversas atividades voltadas para todos os públicos, além do desenvolvimento e disponibilização de materiais educativos sobre serpentes, aranhas e escorpiões. O setor atua também na capacitação de estudantes por meio de bolsas de estágio para alunos de universidades e bolsas de iniciação científica júnior para alunos do ensino médio de escolas públicas.

Aranha armadeira sendo tratada por biólogos da Funed. Foto: Léo Noronha

 


Referências bibliográficas:

 Auricchio, Paulo; Salomão, Maria da Graça. Técnicas de coleta e preparação de vertebrados para fins científicos e didáticos. São Paulo: Instituto Pau Brasil de História Natural, 2002. 350 p.

Kunz, Tobias Saraiva, Ghizoni-Jr, Ivo Rohling, Santos, Walter Luis Alves, Hartmann, Paulo Afonso. Nota sobre a coleção herpetológica da Universidade Federal de Santa Catarina. Biotemas, Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 127-132, setembro 2007.

Kury, Adriano B. et al. 2006. Diretrizes e estratégias para a modernização de coleções biológicas brasileiras e a consolidação de sistemas integrados de informação sobre biodiversidade. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ministério da Ciência e Tecnologia. Brasília, 324 p.

Zaher, Hussam; Young, Paulo S. As coleções zoológicas brasileiras: Panorama e desafios. Biodiversidade, p. 24-26, 2003.

Acessibilidade