Difteria

 

Descrição do serviço: análise para diagnóstico Laboratorial de Difteria (Crupe) – doença toxi-infecciosa aguda, contagiosa, potencialmente letal, imunoprevenível, causada por bacilo toxigênico, que frequentemente se aloja nas amígdalas, faringe, laringe, fossas nasais e, ocasionalmente, em outras mucosas e na pele. É caracterizada por apresentar placas pseudomembranosas típicas.

O agente etiológico da difteria é a bactéria Corynebacterium diphtheriae, bacilo gram-positivo, produtor da toxina diftérica, quando infectado por um fago específico.

A transmissão da doença ocorre pelo contato direto de pessoa doente ou portadores com pessoa suscetível, por meio de gotículas de secreção respiratória, eliminadas por tosse, espirro ou ao falar. Em casos raros, pode ocorrer a contaminação por fômites – qualquer objeto inanimado ou substância capaz de absorver, reter e transportar organismos contagiantes ou infecciosos. O leite cru pode servir de veículo de transmissão.

A coleta do material de orofaringe e nasofaringe de pacientes suspeitos de difteria deverá ser realizada preferencialmente no início dos sintomas característicos da doença e antes do início do tratamento.

O exame realizado na Funed para o esclarecimento diagnóstico de casos suspeitos de Difteria é:

Cultura – É realizada para isolamento e identificação do C. diphtheriae por meio de cultura de amostras biológicas, coletadas adequadamente, das lesões existentes (ulcerações, criptas das amígdalas), exsudatos de orofaringe e de nasofaringe, que são as localizações mais comuns, ou de outras lesões cutâneas, conjuntivas, genitália externa, entre outras, mesmo sem as provas de toxigenicidade. Essa técnica é considerada o padrão ouro para o diagnóstico da difteria.

Mais informações sobre os procedimentos técnicos para coleta de amostras, fluxos laboratoriais, informações sobre conservação e transporte de amostras, bem como detalhamento sobre os principais exames realizados para diagnóstico das meningites bacterianas e meningococcemia, encontram-se no manual de coleta, acondicionamento e transporte de material biológico disponível no site da Funed no link Publicações>Manuais.

Valor do serviço: gratuito

Órgãos responsáveis: Funed, Secretaria Estadual de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

Quem pode utilizar este serviço: todos os usuários do SUS, desde que respeitados os critérios clínicos e epidemiológicos da doença.

Como utilizar o serviço:

1ª etapa: no aparecimento dos primeiros sintomas, o usuário do SUS deve procurar uma unidade de saúde.

2ª etapa: confirmada a suspeita da doença por um profissional de saúde, este irá solicitar o exame.

3ª etapa: a coleta será realizada pela unidade de saúde e o material coletado (swab de nasofaringe e orofaringe) será encaminhado à Funed.

4ª etapa: a Funed irá realizar o exame e disponibilizará o resultado via sistema de informação (GAL) para a unidade de saúde solicitante.

5ª etapa: procurar a unidade de saúde onde foi realizada a coleta para buscar o resultado (a responsabilidade da entrega do resultado é da unidade de saúde solicitante).

Quanto tempo leva: a partir do dia em que a amostra é entregue na Funed, os resultados dos exames serão liberados em até 11 dias úteis.

Em caso de adversidade ou necessidade de realizar algum exame extra para esclarecer o diagnóstico, este prazo poderá ser alterado.

Legislação/documentos: ficha de notificação/investigação de coqueluche do sistema de informação de agravos de notificação (SINAN).

Dúvidas frequentes:

A Funed faz coleta de amostras?

Não, a coleta de amostras para os exames realizados pela Funed é realizada nas unidades de saúde.

A Funed entrega resultados de exames?

Não, o resultado dos exames é entregue pela Funed por computador via sistema de informação (GAL) para a unidade de saúde solicitante.