Centro de Informação Científica, Histórica e Cultural

Desde 1907, quando foi inaugurada em Belo Horizonte, por Ezequiel Caetano Dias, a filial do Instituto Manguinhos do Rio de Janeiro, hoje Fundação Ezequiel Dias, conta com uma biblioteca, que mais tarde transformou-se no Centro de Informação Científica, Histórica e Cultural.

bibliotecahorizonteal

Como discípulo de Oswaldo Cruz, Ezequiel Dias valorizava a cultura, o conhecimento e a informação. Desta forma, implantou no Instituto uma biblioteca científica para dar suporte às pesquisas biológicas. A biblioteca era excepcionalmente rica, pois Ezequiel garimpava obras em antiquários europeus e arrematava bibliotecas em leilões no Rio de Janeiro, além de assinar e receber revistas de todas as partes do mundo, principalmente da Alemanha e França, berços do desenvolvimento científico.

No acervo, era possível encontrar os principais livros de ciência básica e os grandes tratados de Microbiologia, Anatomia, Histologia, Zoologia e Botânica, como os dez volumes da Flora Brasiliense de Von Martius, a coleção completa de Hipócrates, traduzida por Litré, além dos periódicos nacionais como o Brasil Médico, a Gazeta Médica da Bahia, O Hospital e outros latinos como o La Semana Médica.

A biblioteca funcionou por anos como a única no estado com tamanho acervo científico, cerca de 20 mil volumes. Durante esse período, todos os estudantes, professores e pesquisadores da área médica recorriam à biblioteca do Instituto, pois a biblioteca da Faculdade de Medicina foi criada a partir de 1911.

Sendo Belo Horizonte uma cidade moderna e em fase de crescimento, a biblioteca do Instituto era um dos poucos lugares onde a ciência, a pesquisa e a informação científica se encontravam. Os “saraus” realizados todas as quintas-feiras eram o momento para discutir e comentar os artigos recém-chegados. A esses eventos compareciam constantemente grandes nomes da época, como Baeta Viana, Borges da Costa, Marques Lisboa, Samuel Libânio, entre outros. De acordo com Simon Schwartzman no livro a Formação da Comunidade Científica no Brasil “o Instituto Ezequiel Dias […] parece ter sido o verdadeiro centro intelectual da vida belorizontina”.

Ao mesmo tempo em que o Instituto avançava no crescimento da biblioteca científica, também investia na formação do museu com coleções de ofídios e insetos recolhidos nas excursões científicas pelo estado de Minas Gerais. Há registros de uma coleção rara de Lachesis Mutus. L conhecida como surucucu pico de jaca ou surucutinga. A coleção era tão completa que foi exposta no American Museum  of Natural History, na estação experimental em Cuba, dentre outros lugares do Brasil e da Europa.

Mesmo com a morte de Ezequiel Dias em 1922 e a vinda de Octávio Magalhães para a direção, o Instituto manteve o investimento na biblioteca e no Museu. Acreditavam que, sem literatura boa e abundante, não seria possível nada de útil e novo numa casa de ciência e pesquisa.

Magalhães ficou na direção até 1940, época em que o governo Vargas fez uma reforma estrutural na instituição, que passou a se chamar Instituto Químico Biológico de Minas Gerais, dedicando-se apenas à produção fabril de fármacos e produtos imunobiológicos com inexpressiva atividade cultural e científica. A compra de livros foi suspensa, juntamente com as assinaturas de revistas e as expedições científicas. O acervo museológico se estagnou e se dissipou ao longo do tempo. Desta forma, a primeira biblioteca científica do estado de Minas Gerais tornou-se obsoleta e subjugada, transformando-se num depósito de livros esquecidos pelo tempo por mais de 50 anos.

Na década de 80, o professor Carlos Ribeiro Diniz foi convidado para reativar o caráter cientifico que a instituição havia perdido. Fundou o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Funed e colocou novamente a Fundação nas discussões acadêmicas. Com ele veio a necessidade de suporte informacional moderno e dinâmico. Assim, foi criada, em julho de 1984, a Divisão de Documentação e Informação, com o objetivo de prestar serviços de informações técnicas e científicas aos pesquisadores, funcionando como suporte informacional às atividades desenvolvidas na instituição.

 FUNED-22

Em 2001, foi elaborado um projeto de reestruturação da biblioteca e a integração dos dois acervos da instituição, além de reunir as peças tridimensionais. Em 2007, o projeto é ampliado, sendo inaugurada a réplica do laboratório de Ezequiel Dias com as peças tridimensionais recolhidas na Instituição. Hoje, o Serviço de Informação Científica Histórica e Cultural da Funed tem características de uma biblioteca especializada em saúde pública. Atualmente seu acervo é de, aproximadamente, 75.848 volumes:

Livros Históricos: 3.981

Livros Científicos: 1.280

Livros do Ministério da Saúde: 648

Anais de Congresso: 230

Relatórios Institucionais: 60

Obras Literárias: 2.142

Artigos: 1.200

Teses: 498

Peças Bidimensionais: 50

Vidrarias: 89

Fotografias: 5.000

DVDs: 943

Títulos de periódicos: 116 títulos (com volume total: 57.000)

O acervo reúne uma coleção de livros científicos e técnicos, manuais, dicionários, periódicos científicos, teses, relatórios institucionais, catálogos, informes técnicos, documentos iconográficos, objetos tridimensionais e um Banco de Separatas.

Na biblioteca, o usuário tem livre acesso ao material, podendo recorrer a qualquer um dos funcionários para a recuperação de alguma informação que exija um processo mais elaborado de pesquisa.

 FUNED-1

Dentre os serviços prestados pela biblioteca podemos destacar:

Serviço de Encadernação e Restauração

· Recupera as obras fragilizadas do acervo. Faz encadernações especiais.

Serviços de Memória Institucional

· Em mais de cem anos de existência, a Fundação Ezequiel Dias acumulou informações valiosas a respeito da História da Saúde Pública de Minas Gerais. A criação do Serviço de Memória Institucional tem como objetivo preservar a identidade da Fundação, ao difundir as grandes contribuições da Funed à saúde brasileira.

· O acervo do Serviço de Memória Institucional é composto por imagens, documentos e objetos.

Serviço de Empréstimo e Referência

 · Empréstimo de material bibliográfico;

· Empréstimo entre bibliotecas;

· Auxílio à pesquisa bibliográfica;

· Comutação bibliográfica;

· Normalização de trabalhos;

· Orientação quanto ao uso da biblioteca;

· Orientação quanto ao uso de fontes bibliográficas;

· Serviço de informação por telefone;

· Consulta local;

· Localização de documentos usando o Catálogo Coletivo Nacional de Publicações Seriadas (CCN);

· Obtenção de documentos;

· Intercâmbio.

Serviço de Inclusão Digital 

· Pesquisas via internet;

· Base de dados de Separatas;

· Acesso bases de dados no país e no exterior.

Museu Histórico de Ciências

· Recuperação e organização de objetos e equipamentos que reconstroem a história da Funed desde a sua criação;

· Através de documentação fotográfica da época, acrescido de relatos de antigos funcionários, foi possível mudar o antigo Museu para um laboratório de época;

· Com a coleta do material (mobiliário, equipamentos) dentro da própria Funed, o Museu exibe hoje equipamentos, painéis e documentos históricos, bem como procura reproduzir o ambiente do “Álbum Médico 1912- Instituto Oswaldo Cruz (Filial)” – original;

· No local futuramente serão realizadas outras exposições temporárias de caráter técnico-histórico e cultural.

Serviço de Extensão Cultural 

· Setor voltado para a complementação de formação dos servidores da Funed, devidamente equipado com microcomputador, vídeo e TV, acervo de programas e filmes educativos, selecionados para auxílio nos cursos preparatórios de nível médio ou superior, cursos de línguas estrangeiras, filmes documentários sobre pesquisas e temas da atualidade, etc.

· DVDteca em parceria com a Associação dos Trabalhadores da Funed – Asstraf, que realiza empréstimo de filmes aos servidores, estagiários, bolsistas e terceirizados, sem nenhum custo.

Criação do Serviço de Normas Técnicas

 · Dá subsídios às diversas certificações de auditorias do Instituto Octávio Magalhães e da Diretoria Industrial, com o objetivo de contribuir para solucionar os problemas tecnológicos e de certificação.

Informações para Indústria 

· Disponibiliza informações com valor agregado, através dos serviços de consulta técnica e extensão tecnológica, apontando soluções para melhoria da qualidade industrial.